Freguês

by 23:02 0 comentários
Já tive medo do escuro,
E do meu jeito de ser,
Já fui do límpido ao impuro,
E não vi o sol nascer

Já fui frágil, fraquinha
E chorei ilusão
Hoje, sou dona, rainha
De todo o meu coração

Já cambaleei muita vez,
Agora, piso firme no chão
Meu riso não mais é freguês
De tanta solidão.




Natália Monte

Developer

A paixão pela escrita sempre foi característica de Natália Monte: alagoana de gênio forte, começou a escrever quando criança, e o envolvimento com as letras só aumentou com o passar dos anos. Escreve o que pensa, o que vê e o que sente. Descreve através desta página a maneira singular com a qual vê o mundo, sua proposta é justamente expor tal universo particular, ou melhor, seu "reino". E como em todo conto infantil os reis são a autoridade máxima, a autora brinca: " Um dia, fui rei!". Rei de suas ideias, aspirações, e do colorido único que só sua imaginação tem.

0 comentários:

Postar um comentário